quarta-feira, 30 de junho de 2010

Estamos parados


Em função de problemas na organização interna do ISVA
o blog não está funcionando.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

quarta-feira, 26 de maio de 2010

ARTE REFORMA ISVA







A ARTE DE JOSÉ MANOEL COMPANHEIRO DE VALENCIA (ESPANHA)



DESENHOU O PAINEL DA FACHADA DO ISVA



A ELE NOSSOS AGRADECIMENTOS


domingo, 23 de maio de 2010

ARTE, EDUCAÇÃO E REFORMA




AS CRIANÇAS TAMBÉM ESTÃO AJUDANDO NA REFORMA

terça-feira, 18 de maio de 2010

ISVA ARTEREFORMA II




MUTIRÃO PARA A PINTURA DA FACHADA DO ISVA
PRIMEIRA MÃO DE BRANCO
DEPOIS DE COR DE ABÓBORA
O ISVA E O A NA BOLA DE NEGRO




domingo, 16 de maio de 2010

Seção de Livros Libertários

ANARQUISMO NA ESCOLA, NO TEATRO E NA POESIA, O
Edgar Rodrigues * R$ 30,00 * 340 páginas * Achiamé
Edgar Rodrigues * R$ 30,00 * 340 páginas * Achiamé
A idéia de reunir três temas numa só obra nasceu com a intenção de acrescentar o esforço cultural libertário à luta de classes. A ideologia que impulsionou, guiou e serviu de bússola ao proletariado, à alfabetização, à educação e à cultura, o ensino de artes e ofícios e o teatro social. Este é um trabalho que se move na direção das preocupações anarquistas pouco divulgadas até hoje: o que se fez “na Escola, no Teatro e na Poesia”.

“BOA EDUCAÇÃO, A”: EXPERIÊNCIAS LIBERTÁRIAS E TEORIAS ANARQUISTAS NA EUROPA, DE GODWIN A NEILL – VOLUME 1: A TEORIA
Francesco Codello * R$ 68,00 * 416 páginas * Imaginário / Ícone
Esta obra apresenta uma teoria pedagógica e um movimento educativo quase desconhecido do grande público. Pensamento anarquista e práticas educativas libertárias, ao contrário do que se pode pensar, não existiram apenas no passado, mas representam ainda hoje uma realidade que, ainda não seja muita difundida, constitui uma importante contribuição para o processo de emancipação humana. Originalidade e especialidade, inovação verdadeira e instituições antecipadoras então aqui ilustradas, analisadas e colocadas em uma dimensão histórica que parte do fim de 1700 e desenvolve-se até a primeira metade de 1900. Interessando a diversos países europeus. A “pedagogia” libertária, emerge caso a caso, em pensadores e educadores que estão quase sempre inseridos em um movimento revolucionário, protagonistas de extraordinários eventos históricos: da I Internacional a Comuna de Paris; do nascimento e desenvolvimento das organizações anarco-sindicalistas a grandes mobilizações de massa nos diversos países europeus; da Revolução Russa a Espanhola, de 1936 a 1939; dois anos agitados do primeiro conflito mundial aos que precedem o nascimento do fascismo e do nazismo.

BUROCRACIA E IDEOLOGIA
Maurício Tragtenberg * R$ 32,00 * 283 páginas * Editora UNESP
Mais conhecida e debatida obra de Maurício Tragtenberg, Burocracia e ideologia é um clássico. Esta obra, modelar no exame do poder burocrático através dos tempos, exibe raro conhecimento e acuidade sobre o assunto. Em suas páginas, a burocracia ganha notabilidade na Antigüidade do Egito, da Mesopotâmia, da China, da Índia (pelo despotismo oriental e a prática da autocrítica). Depois, ainda é considerada no México e no Peru pré-coloniais, na Rússia aldeã, com as peculiaridades essenciais de cada época e o aparecimento das repercussões futuras. Um tanto mais minucioso, o livro se volta ao universo burocrático da empresa e ao mundo contemporâneo onde ela atua. Neste mundo capitalista, instituem-se a racionalização do trabalho, a capatazia funcional, o messianismo administrativo, a educação permanente e a burocracia como expressão da técnica e da dominação. Instituem-se igualmente o capitalismo de Estado (a modernização industrializante sob a direção do partido único e da burocracia) e sua "nova classe" ("aparelho") representada pela tecnoburocracia. A burocratização dos sindicatos (integradores do operário e organizadores coletivos dos conflitos do trabalho) e a burocratização dos partidos políticos de massa (apoiados no seu quadro administrativo, na sua imprensa, nos seus jornalistas profissionais e em seus parlamentares) acenam com o participacionismo, com a democracia passiva, desejando mais o poder do que a liberdade. Tão a gosto de profissionais de classe média, que se arrogam líderes, os trabalhadores lutam por direitos sociais e políticos, colocando a burocracia estatal como fiel da balança do poder. O horizonte humano limita-se festivamente a essa República de funcionários, como se fosse o fim dos tempos e nada mais acontecesse na história. Burocracia e ideologia, de Maurício Tragtenberg, é leitura que se impõe por sua cada vez maior atualidade no século XXI, convertendo-se em necessidade à medida que passam os anos. (Evaldo Vieira)

CD - Educação Libertária / 1º Seminário Educação e Anarquismo: os 100 anos da Confederação Operária Brasileira (1906-2006)
Unirio* R$ 15,00 * Cooperativa Faísca
1. Liberdade e Instrucção: a luta pela escola na imprensa operária* Valdelice Borghi Ferreira (UNIMEP-SP); 2. Ferrer e a Pedagogia Racional: um balanço, cem anos depois* Sílvio Gallo (UNICAMP); 3. A organização curricular da Paidéia como expressão dos princípios e concepções da Educação Libertária* Clóvis Nicanor Kassick (UNISUL); 4. Universidade Popular* Naira da Costa Muylaert Lima (UNIRIO); 5. A Educação Anarquista e a Pedagogia Racional Libertária* Angela Maria Souza Martins (UNIRIO); 6. Reflexões históricas: educação anarquista no Brasil da Primeira República* José Damiro de Moraes; 7. As concepções anarquistas que fundamentam a experiência pedagógica da Escola Lumiar* Andréa Braga Moruzzi (UFSCar); 8. A Transformação Social no início do século 20 baseada na Educação Libertária* Franklin Augusto de Castro Emygdio Ribeiro (UNIRIO); 9. O Primeiro Congresso Operário Brasileiro e outras formas pedagógicas de luta* Alexandre Samis (Colégio Pedro II); 10. Perspectiva histórica do processo dual da Educação sob um prisma anarquista* Silvério Augusto Moura Soares de Souza (UNIRIO); ISBN 978-85-61066-04-8

EDUCAÇÃO DE ADULTOS – Textos e Pesquisas
Geraldina P. Witter, Edna da C. P. Dália e outros * R$ 15,00 * 194páginas * Achiamé
Geraldina Porto Witter, Edna da Cunha Paiva Dália, Maria Bernardes Silveira e outros nomes do curso de pós-graduação em Educação da UFPb discutem e problematizam, a partir da Psicopedagogia do Adulto a formação universitária no contexto da educação de adultos, as Tarefas do adulto e o caminhar para a aposentadoria. Não menos centrais são em sua abordagem, a pesquisa educacional frente aos novos tempos e suas diferentes necessidades

EDUCAÇÃO LIBERTÁRIA: Textos de um Seminário
Maria Oly Pey (org.) e outros * R$ 30,0 * 208 páginas * Achiamé
Por Educação Libertária, entendemos todas as experiências educativas que pensem e vivam a liberdade, a solidariedade e a autogestão entre indivíduos e grupos, com vistas à autoformação e à autonomia dos participantes. A realização destas experiências, seus limites e possibilidades, foram sendo balizados ao longo da história pelo pensamento e pela experiência libertária/anarquista dos seus participantes e em confronto com as instituições hierarquizadas e autoritárias. Na América Latina e no Brasil, foi o movimento anarquista e anarco-sindicalista que introduziu as idéias de uma educação anti-autoritária, divulgando na sua imprensa essas novas perspectivas educacionais e criando escolas populares onde a liberdade, a co-educação e a solidariedade, por exemplo, já as diferenciavam das demais, marcando uma diferença com as escolas públicas estatais e as particulares vinculadas ao conservadorismo religioso ou empresarial.

EDUCAÇÃO LIBERTÁRIA (Revista) # N.1
IEL / Imaginário* R$ 25,00 * 112 páginas
Publicação do Instituto de Estudos Libertários (IEL) e da Editora Imaginário, que traz como tema neste primeiro número “Educação e Revolução na Espanha Libertária”.
Sumário: ANARQUISMO ESPANHOL E EDUCAÇÃO - Anastasio Ovejero Bernal / FRANCISCO FERRER E A ESCOLA MODERNA - Emma Goldman / FERRER E A PEDAGOGIA RACIONAL: UM BALANÇO, CEM ANOS DEPOIS... - Sílvio Gallo / A C.N.T. E A EDUCAÇÃO, 1936-1939, UM NOVO SISTEMA EDUCACIONAL DURANTE A REVOLUÇÃO ESPANHOLA - Cédric Dupont / A RENOVAÇÃO DA ESCOLA de Francisco Ferrer y Guardia, CONSIDERAÇÕES RELATIVAS À EDUCAÇÃO LIBERTÁRIA - Hugues Lenoir / A DEMOCRACIA DIRETA NA ESCOLA - Francesco Codello / DA BIBLIOTECA À ESCOLA MODERNA. BREVE HISTÓRIA DA CIÊNCIA E DA EDUCAÇÃO LIBERTÁRIA NA AMÉRICA DO SUL - Carlo Romani / PENSAMENTO EDUCACIONAL ANARQUISTA NO BRASIL: UMA INTRODUÇÃO HISTÓRICA - José Damiro de Moraes e CNT-FTE.

EDUCAR PARA EMANCIPAR
Hugues Lenoir * R$ 28,00 * 126 páginas * Imaginário
Educação e sindicalismo revolucionário estão indefectivelmente ligados em um mesmo projeto – aquele de uma classe operária culta porque emancipada, emancipada porque culta. Trata-se, em todas as circunstâncias, de proporcionar ao operário o acesso à Ciência de sua infelicidade para que ele se apodere dela, inverta-a e faça dela o instrumento da transformação social e de sua felicidade. Essa afirmação permanente de educar para emancipar aparece como um fio rubro-negro norteador desde o início da atividade do sindicalismo de ação direta. Tanto em uma abordagem histórica, quanto por meio das obras de Albert Thierry e Marcel Martinet, ou por meio das realizações concretas dos militantes da C.N.T. espanhola nos anos 30, parece-me hoje possível afirmar que, para essa corrente do sindicalismo, não pode haver sindicalismo sem educação, assim como não pode haver educação sem sindicalismo.

ESBOÇO PARA UMA HISTÓRIA DA ESCOLA NO BRASIL – Algumas Reflexões Libertárias
Diversos autores * R$ 18,00 * 128páginas * Achiamé
O livro é constituído por uma apresentação e quatro artigos assim titulados e na seguinte ordem: História das Crianças no Brasil, História da Escola no Brasil/ O que é a Escola?, Raízes da Organização Escolar e Escola e Pedagogia. Com esses artigos pretende-se cobrir as informações mínimas que conviria a uma pessoa possuir para iniciar uma reflexão sobre sua própria educação e o processo escolarizador que viveu/vive. Além disso, obter notícias sobre a educação que vem se dando ao longo de 500 anos de processo civilizador branco no país.

ESCOLA DA ANARQUIA, A
Josefa Martin Luego * R$ 20,00 * 80 páginas * Achiamé
A pesar de se situar na terra onde se “inventou” o anarquismo moderno como ideología politicamente organizada, tendo passado por uma das maiores rebeliões libertárias do século 20, a Espanha é um lugar onde se cultivam os detalhes da memória, devido ao desconhecimento sobre o assunto. Este livro trata de assuntos acerca da educação de forma ampla, mesmo situado nas experiências específicas da construção de espaços de educação libertários, e é ótimo para quem se interessa sobre o processo de aprendizagem livre, sendo fundamentalmente de ordem interior que acaba sendo a anarquia.

EX-COLA LIBERTÁRIA, A
Clovis N. Kassick * R$ 30,00 * 240 páginas * Achiamé
Educar para a singularidade. Essa é a principal característica daquilo que chamamos de Pedagogia Libertária. Este livro é de leitura obrigatória, cobrindo uma lacuna até então presente em nossa bibliografia, ao apresentar, narrativa e criticamente, a experiência da Paidéia, nas nuanças de sua história. O Centro Educativo Paidéia foi e continua sendo uma experiência riquíssima. Para aqueles que se interessam por uma prática pedagógica “desalinhada” em relação às capitalísticas, para aqueles que apostam que uma outra educação e uma outra escola são possíveis, ela segue sendo uma referência fundamental. Educar para a singularidade, para além de ser desejável, é possível. Essa é a principal lição da Paidéia para os educadores socialmente comprometidos com a liberdade e a transformação.

FALSO PRINCÍPIO DA NOSSA EDUCAÇÃO, O
Max Stirner * R$ 20,00 * 87 páginas * Imaginário
O que Stirner condena é o homem prático que faz da Ciência uma idéia fixa, que se torna seu escravo, que não sabe mais gozar a vida e que está atormentado por preocupações mesquinhas que sufocam sua personalidade, seu eu. É preciso entrar e sair do domínio da Ciência segundo bem lhe aprouver. A Ciência não é um fim em si, é só um meio para que eu goze do meu Eu. Para o egoísta consciente, para o Único, “toda coisa é apenas um meio do qual é, em última análise, seu próprio objetivo”. Um cidadão submisso e utilizável, tal é ainda – e muito mais do que na época de Stirner ou de Nietzsche – o produto ideal da educação oficial. Nunca se falou tanto de ligação entre a Universidade e a economia, de preparação dos futuros quadros exigidos pela expansão industrial. A técnica moderna necessita de técnicos e não de homens livres ou personalidades voluntárias. Muitos jovens fazem estudos literários que não são ‘rentáveis', que não oferecem ‘empregos'. Abram espaço para o ensino técnico, para os institutos tecnológicos: ali se fará obra útil e se “ganhará a vida”. O leitor compreenderá o quanto o ensaio de Stirner resta atual, 130 anos depois de seu aparecimento!

INSTRUÇÃO INTEGRAL, A (ESGOTADO)
Mikhail Bakunin * R$ 18,00 * 94 páginas * Imaginário
A primeira questão que temos de considerar hoje é esta: Poderá ser completa a emancipação das massas operárias enquanto recebam uma instrução inferior à dos burgueses ou enquanto haja, em geral, uma classe qualquer, numerosa ou não, mas que por nascimento tenha os privilégios de uma educação superior e mais completa? Propor esta questão não é começar a resolvê-la. Não é evidente que entre dois homens dotados de uma inteligência natural mais ou menos igual, o que for mais instruído, cujo conhecimento se tenha ampliado pela ciência e que compreendendo melhor o encadeamento dos fatos naturais e sociais, compreenderá com mais facilidade e mais amplamente o caráter do meio em que se encontra, que se sentirá mais livre, que será mais hábil e forte que o outro. Quem souber mais dominará naturalmente a quem menos sabe e não existindo em princípio entre duas classes sociais mais que esta só diferença de instrução e de educação, essa diferença produzirá em pouco tempo todas as demais e o mundo voltará a encontrar-se em sua situação atual, isto é, dividido numa massa de escravos e num pequeno número de dominadores, os primeiros trabalhando, como hoje em dia, para os segundos.

INSTRUIR PARA REVOLTAR – Fernand Pelloutier e a Educação
Gregory Chambat * R$ 26,00 * 112 páginas * Faísca
O livro trata, a partir da perspectiva do sindicalista revolucionário Fernand Pelloutier, de uma crítica à educação inserida dentro do capitalismo, que serve de instrumento para a dominação do Estado e para a criação de um povo subserviente e ignorante. O autor coloca a mudança na educação como fator fundamental para qualquer processo de libertação social, ao caminhar em paralelo com os elementos da ação direta. Sumário: INTRODUÇÃO / PELLOUTIER, UM PENSAMENTO EM HERANÇA / “Instruir para revoltar” / Pelloutier na escola / Pelloutier contra a escola / A escola da Igreja / Escola pública ou escola da burguesia? / As universidades populares, “uma escola do operário”? / Uma educação socialista? / Trabalho de sala de aula / Bolsa e realização real da educação / Uma escola do sindicato / Sindicato e educação / Rumo a uma pedagogia de ação direta / O ensino mútuo na origem de uma pedagogia sindicalista? / Um trabalho de classe na aula ou a colocação em prática de uma pedagogia de ação direta / Na escola das Bolsas / Conclusão: porque Pelloutier hoje? / PELLOUTIER E A EDUCAÇÃO – ANTOLOGIA.

PEDAGOGIA LIBERTÁRIA, A
Edmond-Marc Lipiansky * R$ 20,00 * 96 páginas * Imaginário [2ª edição] (NOVO!)
Até onde alcança o anarquismo e sua proposta de revolução? Mesmo antes de ser teorizado por Proudhon e Bakunin, idéias para a população se libertar das tiranias que lhe são impostas já concluíam que uma nova educação é necessária a uma nova organização social. No caso da nova sociedade ser voltada à liberdade, a educação tem de ser libertária. Edmond-Marc Lipiansky historiciza o advento da Pedagogia Libertária realizando seu paralelo cronológico com movimentos revolucionários a partir do final do século XIX. Analisa os teóricos de maior importância e as principais experiências. Já com maior profundidade, o autor observa as idéias propriamente anarquistas de educação, pautadas, dentre outros conceitos, no conceito de instrução integral e da não necessidade de um mestre ao processo pedagógico. Qualquer questionamento a respeito da prática pedagógica em que a educação parte apenas daquele ensina, deve levar em consideração a obra de Lipiansky.

PEDAGOGIA LIBERTÁRIA – Anarquistas, Anarquismos e Educação
Silvio Gallo * R$ 42,00 * 268 páginas * Imaginário (NOVO!)
Com Gallo, podemos pensar, portanto que, se as propostas educativas hegemônicas instituídas constituem-se em um processo de subjetivação que fornece aos indivíduos um panorama social e os territorializa nesse padrão, fazendo-os aquilo que se espera deles. Sendo um mecanismo de construção heterônoma, a pedagogia libertária se quer como um processo de singularização, na qual o indivíduo constrói-se a si mesmo em diálogo ativo com os outros e com o meio, em um mecanismo autônomo que desterritorializa, na construção de territórios sempre novos.

PEDAGOGIA LIBERTÁRIA NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA
Neiva Beron Kassick e Clovis Nicanor Kassick * R$ 12,00 * 52 páginas * Achiamé
A história oficial da pedagogia se fez omissa em relação à contribuição do Pensamento Pedagógico Libertário. No entanto, apesar das dificuldades enfrentadas, experiências educacionais em bases libertárias se desenvolveram em várias partes do mundo, inclusive no Brasil e elas foram importantes pelo vínculo com o movimento operário e com o seu fortalecimento, principalmente no final do século XIX e início do XX.

SOBRE EDUCAÇÃO, POLÍTICA E SINDICALISMO
Maurício Tragtenberg * R$ 32,00 * 216 páginas * Editora UNESP
Este livro de Maurício Tragtenberg é composto de vários artigos, depoimentos e um debate, realizados em diferentes momentos e situações. Nele são examinados especialmente a consciência social, a escola, o Mobral (Movimento de Alfabetização), as CEBs (Comunidades Eclesiais de Base), os vestibulares à universidade, a democratização da universidade, a universidade particular, os estudantes, a representação estudantil e a UNE (União Nacional dos Estudantes). Os pontos centrais e perenes do livro localizam-se na retomada, sempre inovadora, em perspectivas diferentes, da relação entre saber e poder, entre escola e burocracia, entre escola e domesticação, e ainda na existência do que denominou de "delinqüência acadêmica". O único debate presente no livro expõe retrato límpido do que significam os vestibulares à universidade: a discriminação social por meio da escolha dos escolhidos; a injustiça organizada; a deseducação dos educadores; a expansão dos cursinhos; concluindo que "é lamentável que loucos dirijam cegos". No entanto, acima de tudo, o livro de Maurício Tragtenberg, Sobre educação, política e sindicalismo, traz a proposta corajosa e viva de que a história construirá a escola popular e de acesso ao povo. Francisco Ferrer, pedagogo mais amplamente exposto no livro, indica condições e características iniciais desta escola. (Evaldo Vieira)

editoras:

http://www.editoraimaginario.com.br/

http://www.alquimidia.org/faisca/index.php?mod=pagina&id=3673

http://achiame.com/portal/?q=node/240

sexta-feira, 14 de maio de 2010